Metas da Nova Mesa - democratizar os trabalhos e respeitar a liderança de cada vereador

por DRIELY PINOTTI publicado 14/01/2019 18h30, última modificação 16/01/2019 07h41
14 de Janeiro de 2019
Uma gestão participativa. Essa é a palavra de ordem do presidente da Câmara Municipal, Paulo Márcio, eleito para conduzir os trabalhos institucionais do Poder Legislativo, durante o biênio – 2019-2020. O parlamentar acredita que é com a valorização das ações de todos os vereadores, que se atinge o objetivo de trabalhar com o pensamento voltado ao coletivo.
Advogado, contador, servidor público há 14 anos e, principalmente um político democrático, o Presidente entende que “os 15 parlamentares foram eleitos para representar a população, portanto cada um tem a sua bandeira e, isso, precisa ser respeitado, para que as decisões tomadas pela Casa sejam decididas a partir dos anseios da sociedade".
Natural de Tesouro, Mato Grosso, Paulo Márcio começou sua história em Primavera do Leste, em 2005, quando assumiu o concurso na Prefeitura Municipal, no cargo de motorista. Neste período, concluiu as duas graduações. No campo público, também atuou como Secretário de Administração. Foi membro do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica - FUNDEB, Presidente da Comissão do Transporte Escolar – PNATE e Coordenador do Transporte Escolar de Primavera do Leste.
O Presidente tem uma postura política acessível a todo cidadão, defensor intransigente dos interesses da comunidade, Paulo Márcio foi eleito em 2016, com 876 votos, e aceitou o desafio de ser um representante da população, porque na condição de parlamentar os mecanismos de levar as ações públicas a quem necessita, são mais acessíveis. “Acredito que o despertar para a política é do ser humano e, indiferente do cargo, eu sempre busquei fazer um trabalho para o próximo. Foi pensando na possibilidade de ajudar o próximo de maneira mais efetiva que entrei para a política partidária”.
O novo presidente salienta que a participação popular também será o foco de sua administração por entender que ouvir os segmentos organizados da sociedade civil é o mecanismo mais eficaz e democrático para tomar decisões. “Com esse olhar democrático e transparente que vamos conduzir os trabalhos no Poder Legislativo”.